Eu fui com tanta sede ao pote ler esse livro, vi ótimas recomendações e adorei a sinopse. Pensa em algo que tinha tudo para ser bom, mas é fora da casinha? Pois bem, apresento-lhes True.

A obra começa com as colegas de quarto, lindas e populares, da tímida e inteligente Rory descobrindo que ela é virgem. Sem a garota saber, as descoladas amigas contratam Tyler para fazer o serviço.

Interessante não era exatamente um elogio animador, mas ele não me chamou de esquisita, que era como eu me sentia às vezes. Como se eu tivesse sido montada de um jeito diferente das pessoas à minha volta e, embora eu gostasse do resultado final, os outros ficavam confusos sobre como interpretar minha existência. Eles me observavam desconfiados, como se eu fosse um Transformer e eles estivessem esperando que braços de metal saíssem do meu peito. (Rory)

Tyler é o oposto de Rory, tatuado e vive na adrenalina. Ele tem um relacionamento casual e sem compromisso com uma das amigas que armou tudo. O bad boy, entretanto, não é tão mau quanto parece. Está lutando para se formar na faculdade e conseguir um emprego para tirar seus irmãos mais novos da mãe drogada. Sua vida é dura e feia demais para que as pessoas tomem conhecimento.

Rory sempre teve uma quedinha pelo misterioso tatuado, mas acha que ele nunca olharia para ela. Magra e sem jeito, passa longe das meninas que Tyler costuma ficar. Esse, por sua vez, acha a nerd intrigante e tem vontade de conhecê-la melhor, porém, se sente inferior a ela.

Acho que a gente devia ter apagado a luz antes de deitar. – E de que jeito eu ia ver como você é linda? (Tyler)

Até aí tudo bem, clichê, mas fofo. O problema é que ainda nos primeiros capítulos a abençoada descobre todo o plano das amigas e nem liga. Oi? Gente, se eu descobrisse um trem desse matava as minhas amigas e dava uns bons tapas na cara do rapaz. Sem contar que o romance é muito instantâneo, começa do nada e os personagens vão levando, como se fosse a coisa mais natural do mundo. Nada é bem desenvolvido na história, fica na superficialidade.

O livro tenta mostrar Rory como uma jovem totalmente racional e analítica. Ela está estudando para ser médica-legista, então, tudo é bem lógico e nada sentimental. Cara, nunca na vida ia deixar rolar isso rs Eu até tentei me colocar no lugar dela, que foi criada somente pelo pai nerd, mas não deu. É a personagem mais fora dos padrões femininos de romance que já vi. Não que isso seja ruim, muitas pessoas podem adorar, mas não rolou a química comigo.

A única coisa que ADOREI no livro foi a família de Tyler. Seus irmãos mais novos são adoráveis e eles, realmente, passam por poucas e boas para sobreviver. O jeito que a Rory se relaciona com eles também gostei. Outro ponto positivo é o nome True, que faz TODO SENTIDO com a história.

Por fim, o livro faz parte da série True Believers, porém, como você pode imaginar, não li mais. Pelo que pesquisei, são histórias no mesmo ambiente só que focadas na vida dos irmãos de Tyler.

1- True
2- Sweet
3- Believe
4- Shatter

Trilha sonora

True Colors (Justin Timberlake)

And I see your true colors
Shining through
I see your true colors
And that’s why I love you
So don’t be afraid to let them show
Your true colors
True colors are beautiful

E se virasse filme

Acredito que esses atores fariam bem o papel.

NOTA: 3