São 2h35 e cá estou eu escrevendo resenha. Acabei de chegar do cinema, fui acompanhar a pré-estreia de 50 tons mais escuros. Tenho que dizer antes de qualquer coisa que foi uma espera longa (muitooo longa, 2 anos para ser mais precisa) para ver essa continuação. Li o livro 3x, e acho que estava com muita expectativa para a versão cinematográfica. Dito isso, vamos recapitular a história.

A coleção 50 tons faz parte de uma trilogia da autora E. L. James. Temos o bombástico 50 tons de cinza, depois 50 tons mais escuros e, por fim, 50 tons de liberdade. Como bônus (e tenho que dizer, é o meu preferido), temos o livro Grey, que narra a primeira obra na versão do Christian.

cena-de-cinquenta-tons-mais-escuros-1481136305988_615x300
Cena quente do filme 50 tons mais escuros, no elevador

O primeiro livro foi lançado no cinema em fevereiro de 2015, e já não foi tão fiel. Mas esse segundo foi pior. Em resumo, romantizaram demais os protagonistas e deixaram de lado o drama interno de Grey que dá todo sentido à narrativa. (não que eu não goste disso, o Christian está mais lindo e fofo do que nunca, mas ficou sem sentido)

Quem assistir 50 tons mais escuros sem ler a obra vai deduzir que o Christian é um completo idiota sádico sem motivo. E, por Deus, ele tem motivo. Não que justifique suas ações em 50 tons de cinza, mas dá para compreender porque ele é assim, pelo menos.

Eu entendo que ao adaptar um livro você precisa reajustar algumas coisas, até cortar cenas. Mas, na minha opinião e de outras 2 amigas que leram a trilogia e foram no cinema comigo, cortaram as cenas erradas. Mudaram umas desnecessariamente e deixaram de lado a essência de todo o problema.

Nessa segunda obra temos um casal fofo e muito apaixonado
Nessa segunda obra temos um casal fofo e muito apaixonado

A Leila, a Elena e o José não foram bem ajustados na história das telinhas, o Dr. Flynn (tão importante, a meu ver) sequer apareceu e, num passe de mágica, Grey deixou de ser possessivo =( Não quero falar muito porque NINGUÉM MERECE spoiler na pré-estreia né, mas gostaria muito que quem assistisse viesse aqui depois e deixasse seu comentário também.

Não sei se foi muita expectativa gerada. Como diz meu marido, “a frustação é proporcional à expectativa gerada”. E nesse caso foi mesmo rs Não que o filme seja ruim, de novo, está lindo e muito fofo. As cenas de sexo se transformaram em cenas de amor (selvagem, mas amor rs), como na trilogia. Mas, para quem se apaixonou pela história dos livros, é pouco. Pelo menos é para mim. Eu gosto de um bom drama por trás dos personagens hehe

Uma coisa boa é que, se não honraram o Grey dos livros, pelo menos honraram a Ana. Conseguimos ver bem o seu crescimento e amadurecimento como mulher. Ela está divertida e petulante como sempre.

Entenda a história de Ana e Christian

nova-50-tons-cinza-livros
1. 50 tons de cinza e Grey
Anastasia Stelle é uma estudante de literatura que, sem querer, vai parar no escritório do bilionário (e maravilhoso) Christian Grey para fazer uma entrevista no jornal da faculdade. Apesar de desajeitada, o misterioso Sr Grey se interessa pela bela jovem dos olhos azuis e cria situações para se aproximar dela. Ele tem um gosto bem peculiar para relacionamentos, trata suas parceiras como submissas, que precisam obedecer suas ordens. Ao perceber que Ana é romântica para aceitar esse papel, Grey tenta se afastar, mas já está envolvido demais. Anastasia decide dar uma chance ao rapaz, afinal, está caidinha por ele, mas descobre que não é capaz de aceitar alguém mandando em sua vida e dizendo o que fazer. Ela quer um relacionamento de verdade, ele aparentemente só quer usá-la para joguinhos sexuais. E é bom nisso.

Eu não faço amor, eu fodo com força. (Grey)

2. 50 tons mais escuros
No segundo livro, descobrimos o motivo do Christian ser sádico e como foi seu passado. Personagens que são apenas citados em 50 tons de cinza ganham bastante vida dando total contexto à história. Em termos de narrativa, é o livro mais importante da trilogia. Já no começo temos um apaixonado tentando reconquistar a amada depois de um doloroso (literalmente) fim. Ele promete ser diferente, mas ainda tem dificuldade em deixar seu passado de lado. O ciúme muitas vezes vai atrapalhar o casal, com o lado possessivo de Grey vindo à tona em praticamente todas as cenas. Além disso, a chegada de uma ex-submissa doida, o ciúme da mulher que colocou Grey nesse mundo de dominador e um chefe que assedia Ana vão deixar a narrativa eletrizante.

Você tem um coração e ele é meu. Quero amá-lo pra sempre. Mesmo ele sendo tão complexo e difícil, eu o amo. Sempre vou amar. Nunca haverá outra pessoa. Nunca. (Ana)

3. 50 tons de liberdade
Aqui temos um casal que passou por muita coisa para ficar junto, e está feliz em lua de mel. Mas não pense que tudo são flores. Além do ciúme habitual (e exagerado de Grey), uma chegada inesperada vai deixar os protagonistas sem rumo e separados. As dúvidas sobre o relacionamento são levantadas e o passado volta com tudo para atormentá-los. É o livro com mais aventura, com direito a sequestro, tiros e tudo mais. Ana vai provar que ama Christian acima de tudo, mas será que ele também a ama de verdade?

Meu mundo era organizado, calmo e controlado. Aí você entrou na minha vida, com essa sua boca afiada, a sua inocência, a sua beleza e a sua coragem discreta… E todo o resto, tudo antes de você, simplesmente ficou bobo, vazio, medíocre… Nada! Eu me apaixonei. (Grey)

NOTA: Vou fazer diferente hoje, vou dar 2 notas, uma para o filme e outra para a coleção de livros.

Para o filme 50 tons mais escuros: 3,5

Para a coleção 50 tons: 5

nota