Mais um trabalho maravilhoso da Colleen Hoover. Quando vi a capa do livro e li a sinopse, confesso, não fiquei muito interessada (agora acho que não existe melhor capa para descrever a história). Na verdade, acho que todas as obras da Collen pecam por resumos que não dizem nem uma vírgula da grandiosidade do que está por vir.

Não pergunte sobre o passado e não espere nada do futuro. Essas foram as únicas regras de Miles Archer, piloto de avião, ao se render a atração que sentiu pela irmã do seu melhor amigo, Tate Collins. Sua beleza esconde um passado cheio de dor, que ele tenta esquecer por seis anos.

As partes feias do amor não podem te levantar. Elas te derrubam. Elas te seguram. Te afundam. Você olha pra cima e pensa, eu queria estar lá em cima. Mas você não está. […] Sem as partes bonitas você nunca arriscaria se sentir assim. Você nunca se arriscaria a sentir o feio. Então você desiste. Você desiste de tudo. Você nunca quer amar novamente, não importa de que forma, porque nenhum tipo de amor vale a pena viver o feio do amor novamente. (Miles)

Tate se mudou para São Francisco para fazer mestrado. Ela é enfermeira e muito carinhosa com todos a sua volta. Seu melhor amigo na nova cidade passa a ser um senhor de 80 anos, que trabalha no prédio do irmão. Comecei a amá-la a partir desse momento. ❤

O livro é narrado pelos dois, intercalando, na maior parte do tempo, o presente na visão da Tate e o passado na visão do Miles. Achei muito interessante essa narrativa, que contextualizou muito bem todas as atitudes atuais tomadas pelo protagonista.

Apesar de aceitar apenas sexo, Tate rapidamente se apaixona pelo Miles. Esse, por sua vez, vai te dar vontade de socar seu estômago durante várias partes da obra. Ele é muito frio e dá a impressão de apenas usá-la por quase todo o livro.

Os seus olhos encontram os meus em um flash e consigo vê-lo querer voltar no tempo. Ele quer retirar o que acabou de dizer, porque havia esperança naquelas palavras. Miles não diz coisas como essas. Eu sei que ele está prestes a se desculpar. Ele vai me lembrar de que ele não pode me amar, que ele não teve a intenção de me dar esse mísero pedaço de esperança. (Tate)

O segredo dele é revelado já nos últimos capítulos, eu chorei. Consegui compreender cada dor e sofrimento dele. Ele encontrou o lado feio do amor no passado, o lado da perda e do sofrimento, e foi incapaz de se recuperar por muito tempo. Até agora. O problema é que, com sua frieza, ele também fez a Tate encontrar esse lado feio.

Fiquei transtornada com o segredo do Miles, nunca em mil anos imaginei que seria aquilo. Ponto para a Colleen por sua genialidade. Ele é um idiota atualmente, mas foi um dócil e respeitoso jovem no passado. Faz a gente refletir como nossas lutas do dia a dia transformam completamente quem somos.

Em várias resenhas que tinha lido antes de comprar o livro, Tate foi crucificada por ser fácil, de aceitar esse acordo e ser usada. Para falar a verdade, achei ela até bem forte. Tate percebeu que ele não era o que aparentava ser, e quis ajudá-lo a sair do fundo do poço. Por muitas vezes, o antigo Miles aparecia (claro, logo, ele dava um jeito de ser idiota novamente) e nutria suas esperanças. O final não podia ter sido mais lindo: perdão, lágrimas, amor.

Trilha sonora para embalar a leitura

Ugly love (Griffin Peterson) – Essa música foi criada, especialmente, para o livro ❤

♫ I’ve been waiting for you
To come and pull me back down
All the weight of the truth
Is taking me to the ground
I say, love ain’t always pretty sometimes it’s ugly, ugly ♫

E se virasse filme

A boa notícia é que O lado feio do amor vai virar filme! O Miles será interpretado pelo OMG Nick Bateman. A Tate ainda não foi escolhida, mas temos uma ótima sugestão ❤

filme-o-lado-feio-do-amor

NOTA: 5

nota